fbpx

Cristãos se unem em favor da criança

A jovem Lilian Vieira é professora de crianças em um projeto social no interior de Minas Gerais. Às vezes, ela acorda desanimada com o trabalho, acha que não é capaz de resolver os problemas de seus alunos e sente-se sozinha frente a um desafio tão difícil. O que Lilian não sabe é que, em sua retaguarda, cresce cada vez mais uma “força-tarefa” espontânea e, ao mesmo tempo, organizada, guiada pelo Espírito, com o objetivo de ajudá-la. Muitos cristãos ao redor do mundo estão se unindo, concretamente, em torno de um alvo comum: as crianças e os adolescentes especialmente vulneráveis. Comum também é a visão: unidade.

Movimentos
Pelo nono ano consecutivo e hoje com participação de mais de 90 países, cristãos se unem em oração, a um só tempo, no Dia Mundial de Oração Por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco. O evento vem mobilizando cada vez mais pessoas, inclusive, no Brasil. Além de levar a igreja a clamar a Deus em favor da criança, o Dia Mundial de Oração transforma principalmente quem ora.

Child Theology Movement (Movimento Teologia da Criança), criado a partir de uma consulta realizada em Penang, na Malásia, em junho de 2002, está reunindo teólogos e escolas cristãs para refletirem sobre a visão de Deus e a visão histórica da igreja com relação à criança. Keith White, um dos fundadores desse trabalho, ao apresentar um workshop na conferência Cutting Edge III, em 2001, desafiou seus ouvintes a expor suas dúvidas teológicas com respeito à criança. As perguntas foram tantas e tão complexas que Keith e outros resolveram promover fóruns que tratem essas questões com mais profundidade. Em 2004 foram realizadas três consultas: na América do Norte, na África e na Ásia. O grupo planeja para 2005 duas consultas na América Latina.

Na América Latina e Caribe, o Movimiento Juntos Por la Niñez (Movimento Juntos pela Infância) foi iniciado em uma consulta teológica durante o Congresso Latino-Americano de Evangelização (CLADE IV) em Quito, no Equador, no ano 2000. Dois anos depois, o movimento foi fortalecido com a realização da segunda consulta, em Costa Rica, onde foi traçada uma agenda de trabalho para envolver a igreja no cuidado da criança. O compromisso do movimento é consolidar redes de trabalho, viabilizar projetos de cooperação mútua e oferecer ajuda ministerial às igrejas e organizações. A estratégia é realizar consultas nos países latino-americanos e definir um marco teológico sobre a criança. O Encontro Latino-Americano Igreja e Infância será a terceira consulta, que acontecerá no Brasil, em São Paulo, em novembro deste ano, cujas anfitriãs serão a revista Mãos Dadas e a Associação Evangélica Brasileira (AEVB). A consulta é fruto de um trabalho conjunto de cinco organizações envolvidas no cuidado da criança: Visão Mundial, Compassion, Tearfund, Cristo para la Ciudad e Red Viva.

Redes
A Viva Network (ou Red Viva na América Latina), organização fundada na Inglaterra, em 1996, tem a missão de coordenar e estimular a união de forças entre as organizações e igrejas por meio da criação de redes regionais (ou apoio às já existentes) em torno da temática “Criança em situação de risco”.

Por iniciativa da Viva Network, o Brasil tem se beneficiado de três formas: a formação da Red Viva no Rio de Janeiro, a criação da revista Mãos Dadas e a publicação da ferramenta para consultas reflexivas chamada Entendendo o Coração de Deus em Relação à Criança.

Essa força-tarefa espontânea de luta em favor da criança é algo novo. Mas uma coisa é certa: a professora Lilian e muitos outros cristãos que lutam em favor da criança não são combatentes solitários.

Números
– Há pelo menos 66 redes de proteção a crianças e adolescentes em 43 países;

– Há mais de 25 mil ministérios na América Latina que trabalham com crianças e adolescentes;

– No Brasil, mais de 120 igrejas, comunidades e organizações sociais participaram do Dia Mundial de Oração Por Crianças e Adolescentes em Situação de Risco, em 2003.