Juntos na mesma causa_Direitos das Crianças

Juntos na mesma causa_Direitos das Crianças

Acreditamos que para ideias, projetos, leis e direitos saírem do papel e serem colocados em prática é necessário bem mais do que apenas uma assinatura. Importa que todos os envolvidos acreditem e endossem a ação, com atitudes diárias e práticas coerentes com a causa.

Para que os DIREITOS se tornem realidade na vida das crianças brasileiras na primeira infância, por meio de políticas públicas integradas e intersetoriais, é fundamental um passo base inicial: vontade política e compromisso dos futuros governantes.

É bem provável que, em sua vida, você ouviu alguém falar algo do tipo: “Não adianta a gente querer se quem está no comando não concordar ou acreditar… desse jeito a ideia não vai pra frente.” Pois bem, é isso aí. TODOS JUNTOS.

Quando apoiamos iniciativas, como a da RNPI, que luta em favor do conhecimento e compromisso dos candidatos a governantes com a primeira infância, estamos buscando formas, por exemplo, de apoiar o direito básico de “BRINCAR” para as crianças brasileiras.

Para exemplificar, uma especialista na proteção da criança que atua na Visão Mundial, Karina Lira, esclarece do que se trata esse direito:

No direito a Brincar

 3.1 Investir na formação dos diferentes profissionais da área da Primeira Infância, entre eles, os que atuam em prol do brincar a partir dos interesses e escolhas das crianças;

3.2 Assegurar espaços, tempos, materiais e recursos humanos para as crianças brincarem com segurança e qualidade, nos termos do art. 17 da Lei 13.257 – Marco Legal da Primeira Infância.

Recentemente a Visão Mundial realizou um levantamento de dados em 8 municípios localizados no NE e SE do Brasil, onde a organização desenvolve programas com foco na proteção e educação de crianças e adolescentes, dentre eles as capitais Fortaleza, Recife e Salvador. Foram observados os espaços de lazer disponibilizados aos alunos em 89 escolas onde a organização desenvolve seus projetos em parceria com organizações comunitárias e equipes das escolas.

Além de ter o objetivo de avaliar a existência de um espaço para as crianças brincarem, foram verificadas também as condições em que esses espaços e brinquedos se encontram, bem como se nessas escolas as crianças tinham direito ao recreio. Sim, porque das 89 escolas analisadas, em 5,62% delas não há tempo destinado ao recreio e, entre as escolas que possuem, 4,49% concedem apenas 10 minutos para o recreio de seus alunos.

Dá para imaginar uma criança um turno inteiro numa escola sem poder brincar?

Brincar é um assunto tão sério que é um direito previsto no artigo 16 do Estatuto da Criança e do Adolescente, contido no capítulo do direito à liberdade que compreende vários aspectos, entre eles: o IV – brincar, praticar esportes e divertir-se.

O brincar é uma atitude existencial, uma atividade estruturante para o desenvolvimento infantil e humano, pois é na brincadeira que a criança aprende valores, aprofunda os laços de amor, expressa sentimentos e emoções, imita a vida…

Your content goes here. Edit or remove this text inline or in the module Content settings. You can also style every aspect of this content in the module Design settings and even apply custom CSS to this text in the module Advanced settings.

Que tal sonhar e orar com Brasil como o descrito em Zacarias 8.5?

             “E as ruas da cidade se encherão de meninos e meninas, que ali brincarão”

Oremos e ajamos para que isso se torne uma realidade.

Observe as propostas de seus candidatos.

 Por Aline Trindade


Curta e siga-nos!

2 Comentários

  1. Andrea Espírito Santo

    Ola, essa foto é do James Gilbert? Linda foto! Eu poderia usá-la num power point? 🙂

    Responder
    • Equipe Mãos Dadas

      Andrea, respondemos seu pedido através do seu e-mail. Agradecemos seu contato! Volte sempre! Forte abraço!

      Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *