Dia 5: Jesus precisava de gestos de amor?

 

Durante esses tempos de dificuldade nós frequentemente nos sentimos como se tivéssemos que dar tudo, precisamos derramar nossas vidas. Jesus de fato se doou por inteiro, essa foi a razão de ele ter se tornado homem, a razão pela qual ele veio. Isso significa que quando os tempos são difíceis, opressores, fora do nosso controle, nós nos esforçamos para ir ao extremo. Nós frequentemente julgamos os outros por não se doarem por completo, ou ainda, por não doarem 101%.

Também nos sentimos envergonhados em tirar um tempo para um descanso necessário, uma pausa e tirar um tempo para cuidarmos de nós mesmos. Esse auto-julgamento pode resultar em nossa exaustão ou na mediocridade em nosso trabalho.

Deuteronômio 15:4

Exceto quando não houver entre ti pobre algum; pois o Senhor abundantemente te abençoará na terra que o Senhor teu Deus te dará por herança, para possuí-la.

Note que não só DEUS espera que seu povo não viva na pobreza, mas isso era um presente que eles deveriam receber. Ele sabe que, apesar deste comando, e dando-lhes uma terra próspera, haveriam pessoas pobres na terra.

Deuteronômio 15:11

Pois nunca deixará de haver pobre na terra; pelo que te ordeno, dizendo: Livremente abrirás a tua mão para o teu irmão, para o teu necessitado, e para o teu pobre na tua terra.

Em outras palavras, não deveriam haver, mas haverá. O SENHOR não repreende os pobres por serem preguiçosos, ou não trabalharem o suficiente. Em vez disso, ele diz àqueles que têm: “portanto, vocês devem ser abertos e generosos” (Dt. 15:7-8)

Mil anos depois, Jesus cita Deuteronômio quando recebe um presente especial:

Leia Mateus 26:

Estando Jesus em Betânia, na casa de Simão, o leproso, aproximou-se dele uma mulher com um frasco de alabastro contendo um perfume muito caro. Ela o derramou sobre a cabeça de Jesus, quando ele se encontrava reclinado à mesa.

Os discípulos, ao verem isso, ficaram indignados e perguntaram: “Por que este desperdício? Este perfume poderia ser vendido por alto preço, e o dinheiro dado aos pobres”.

 

Percebendo isso, Jesus lhes disse: “Por que vocês estão perturbando essa mulher? Ela praticou uma boa ação para comigo. Pois os pobres vocês sempre terão consigo, mas a mim vocês nem sempre terão. Quando derramou este perfume sobre o meu corpo, ela o fez a fim de me preparar para o sepultamento. Eu lhes asseguro que onde quer que este evangelho for anunciado, em todo o mundo, também o que ela fez será contado, em sua memória”.

Jesus, apoiado por um grupo de mulheres, mantinha uma bolsa para ajudar os pobres. Quando os discípulos repreenderam a mulher, Jesus cita Deuteronômio: “Os pobres sempre estarão com vocês”. Ele então adiciona uma nova circunstância, “mas eu não estarei sempre com vocês”. Jesus não está debatendo a regra, nem negando-a, em vez disso, Ele está fazendo uma exceção.

Ele poderia ter dito, “Parem! Isto deve ir para os pobres! Eu não preciso disso, eu sou o Filho de Deus”. Mas não, em vez disso, ele aceitou o presente. Em contraste com os discípulos que chamaram sua ação de desperdício, ele a considerou bela. A palavra utilizada pelos Gregos, “Kalos”, comumente traduzida como bela, carrega consigo ideias de nobreza e perfeição.

Jesus realizou uma troca entre ajudar os pobres ou receber algo belo. Jesus recebe o perfume como uma exceção ao comando de dar aos pobres. A questão é: quantas vezes Jesus valorizou seu gesto?

Sua resposta mostra que ele deu o máximo valor, “… onde quer que o evangelho seja proclamado no mundo todo, o que ela fez também será contado em sua memória” (Mt 26:13). Ao mesmo tempo, Ele não desvaloriza o mandamento do SENHOR de estar aberto a doar aos pobres. O fato de Jesus receber cuidado, apoio e atenção em seus momentos mais difíceis não tira mérito algum do seu ministério com os pobres. Na verdade, isso o enriquece ainda mais.

Da nossa perspectiva humana poderíamos dizer que Jesus estava se preparando para sofrer dor física, abandono completo, ódio e vergonha. Nas próprias palavras de Jesus, o lindo desto dessa mulher o preparou para lidar com a maldade humana.

Talvez isso o fizesse lembrar de seu próprio presente valioso da salvação, que Ele estava prestes a dar. Esse dom seria então proclamado de muitas belas maneiras pelos pecados ao redor de todo o mundo.

O perfeito gesto da mulher foi feito a Jesus porque Ele não poderia se preparar da mesma maneira. Seria estranho, não-natural para ele fazer isso. O valor descrito por Jesus para o presente recebido não retira dEle o mérito de doar-se 100%.

Em vez disso, Ele declara que é “lindo” receber algo que Ele não poderia fazer por si mesmo. Nós não deveríamos nos envergonhar de receber lindos presentes que podem apenas nos impedir de atingir a exaustão, ou de fazer um trabalho medíocre. Caso contrário, podemos perder nosso tempo e energia realizando um trabalho de qualidade inferior. Em nosso tempos difíceis, devemos estar abertos a receber e dar belos presentes.

  •  Por James Bruce Gilbert