Violência doméstica contra a criança

Violência doméstica contra a criança

Nunca um artigo foi tão atual para a situação em que estamos vivendo no mundo. Com a pandemia, muitas crianças estão sofrendo violência doméstica, entre outras violências. Confira esse artigo publicado na edição 0, Violência doméstica contra a criança, da revista Mãos Dadas. Abaixo um trecho para você querer ler mais.

Na década de 60, o Brasil viveu uma epidemia de poliomielite. Hoje, milhares de adultos ainda sofrem as sequelas desta terrível doença. Para erradicá-la, primeiro foi preciso descobrir uma vacina. Depois, foi necessário um esforço nacional de conscientização, tendo em vista o receio do nosso povo em vacinar suas crianças. E, finalmente, precisou haver uma mobilização de toda a sociedade civil, de todos nós, tanto nas campanhas como no tratamento daqueles que já haviam sido acometidos pela doença e cujas vidas estariam alteradas para sempre.

Trinta anos se passaram. Agora enfrentamos uma nova epidemia: a violência doméstica, que já pode ser encarada como uma doença social. Ela é mais complexa em suas raízes (nunca vamos conseguir isolar o vírus da violência), mais presente em nossas vidas e mais devastadora em suas sequelas. É imprescindível que toda a sociedade se engaje em uma campanha permanente de combate a este mal, que faz dos mais frágeis suas maiores vítimas.

Elsie B. C. Gilbert

 

Neste artigo você também vai encontrar: diagnóstico, busca de tratamento, cobrança do tratamento, sequelas, espera pelo melhor, por uma família feliz.

 

Leia o artigo na íntegra!

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Receba nosso boletim quinzenal gratuitamente

Preencha seu nome e o melhor email abaixo para receber nosso boletim

Não se preocupe, não enviamos spam!

Receba nosso boletim quinzenal gratuitamente

Prerencha seu nome e o melhor email abaixo para receber nosso boletim

Não se preocupe, não enviamos spam!

Receba nosso boletim quinzenal gratuitamente

Prenencha seu nome e o melhor email abaixo para receber nosso boletim

Não se preocupe, não enviamos spam!

Receba nosso boletim quinzenal gratuitamente

Preencha seu nome e o melhor email abaixo para receber nosso boletim

Não se preocupe, não enviamos spam!